Tratamento

Após o diagnóstico, a fase do tratamento e aceitação da doença é diferente de mulher para mulher. Assim como ninguém é igual a ninguém, ninguém pode sentir o que o outro está sentindo.  Para o câncer de mama existem dois tipos de tratamento e cada caso tem uma indicação específica, variando entre o tipo e o estágio da doença. 

Entre os tratamentos estão a a cirurgia e a radioterapia. Ambos buscam intervir apenas onde o nódulo se encontra. 

Já os tratamentos sistêmicos, consistem na utilização de medicamentos que podem ser administrados por via oral, ou diretamente na corrente sanguínea para atingir as células cancerígenas em qualquer parte do corpo. Dependendo do tipo de câncer de mama, diferentes tipos de tratamentos sistêmicos podem ser usados, incluindo: Quimioterapia, Terapia hormonal e Terapia alvo.
 
Consultas médicas
O Especialista da sua confiança definirá qual a frequência das visitas ao consultório. Após o passar do tempo, é provável que o tempo seja mais espaçado e que após os 5 anos após o tratamento, as consultas sejam anuais.

Mamografias
Após a cirurgia, é ideal continuar monitorando as mamas com frequência. Caso a cirurgia tenha conservado a mama, o ideal é iniciar o monitoramento 6 meses após a cirurgia – ou após o termino da radioterapia.

Ginecologista
Além do acompanhamento do mastologista, o ideal é realizar o acompanhamento com o Ginecologista. Já que após o uso de alguns medicamentos hormonais, já que alguns remédios também podem aumentar o risco de câncer uterino. Portanto, além de tornar a visita ao mastologista mais frequente, a proximidade com esse profissional é fundamental para a sua saúde.

Psicólogo
O tratamento pode ser bastante dolorido e mexer com a autoestima da mulher. Pensando nisso, o trabalho multidisciplinar é fundamental com a presença do psicólogo. Com esse tipo de terapia é a mulher é capaz de aos poucos superar as fases mais difíceis da doença. 

 
« Voltar